Explicação dos termos do Ubuntu Linux para seu disco rígido e seus dispositivos

Summary: Este artigo é uma referência sobre como os discos rígidos e dispositivos são chamados no Ubuntu Linux e como eles são usados em seu computador Dell.

Article Content


Symptoms

 


Este artigo apresenta informações sobre como os discos rígidos e dispositivos são chamados no Ubuntu Linux e como eles são usados em seu PC Dell.


Sumário:

  1. Entender a nomenclatura de dispositivos no Linux
  2. Convenção de nomenclatura de dispositivos no Linux
  3. Convenção de nomenclatura de dispositivos GRUB
  4. Convenção de nomenclatura de dispositivos GRUB2
  5. Resumo dos termos de dispositivos e seu uso no Ubuntu

 

Entender a nomenclatura de dispositivos no Linux

 

Entender a nomenclatura e a utilização dos dispositivos é essencial para instalar e usar o Ubuntu Linux corretamente. Os nomes dos dispositivos mudaram e evoluíram ao longo das várias versões do Linux, que sempre são lançadas conforme as mudanças da tecnologia.

Infelizmente, essa nomenclatura não será semelhante ao modo como o Windows e a Apple nomeiam e usam dispositivos em seus sistemas. Você verá algumas semelhanças com o Android do Google.

SLN151767_pt_BR__1icon Nota: a versão atual do Ubuntu usa o GRUB2 - Grand Unified Bootloader. As informações das seções 4 e 5 são recomendadas como as mais atuais.


Voltar ao início


 

Convenção de nomenclatura de dispositivos no Linux

 

O Linux começou dando a cada dispositivo um nome, depois uma posição e, depois, uma partição.

SLN151767_pt_BR__1icon Nota: ao particionar uma unidade Master Boot Record (MBR), você pode ter no máximo 4 partições primárias. Ou uma combinação de várias partições primárias e lógicas. É recomendável que você siga essa convenção para as unidades de Tabela de Partição GUID (GPT).

No Linux, a nomenclatura original era:

  • dev/fd0: a primeira unidade de disquete.
  • dev/fd1: a segunda unidade de disquete.
  • dev/sda: o primeiro ID de disco SCSI com reconhecimento de endereço.
  • dev/sdb : o segundo disco SCSI com reconhecimento de endereço, e assim por diante.
  • dev/scd0 ou /dev/sr0: o primeiro CD-ROM SCSI.
  • dev/hda: o disco mestre do controlador primário de IDE.
  • dev/hdb: o disco escravo do controlador primário de IDE.
  • dev/mmcblk0: cartão SDHC da PCMCIA. Nomenclatura de dispositivos especiais.
  • dev/sdb: unidade flash USB relacionada à emulação de SCSI. No entanto, o kernel é iniciado paralelamente a vários drivers. Isso não significa que a unidade sda ou sdb seja uma unidade USB, mas que o módulo USB foi iniciado ao mesmo tempo que a unidade um e envia suas mensagens simultaneamente.
  • dev/hdc e /dev/hdd: os discos mestre e escravo do controlador secundário, respectivamente. Os controladores de IDE mais recentes têm dois canais que agem como dois controladores.


Voltar ao início


 

Convenção de nomenclatura de dispositivos GRUB

 

O GRUB alterou a convenção adicionando uma partição que começava com 0.

O nome básico de um disco controlado pelo (E)IDE é dev/hd? O símbolo ? é uma única letra. No GRUB, isso é equivalente a hd? O símbolo ? Indica as posições 1 a 4.

Nomear os dispositivos é simples. Levando em consideração o primeiro exemplo a seguir, consideramos que a primeira parte é o nome do dispositivo hd e que a segunda parte é a posição que ele ocupa a.

Nome da unidade
  • dev/hda: disco mestre do primeiro controlador
  • dev/hdb: disco escravo do primeiro controlador
  • dev/hdc: disco mestre do segundo controlador
  • dev/hdd: disco escravo do segundo controlador
Nome do GRUB
  • hd1: disco mestre do primeiro controlador
  • hd2: disco escravo do primeiro controlador
  • hd3: disco mestre do segundo controlador
  • hd4: disco escravo do segundo controlador

Dar nome às partições é fácil. Basta anexar um número ao dispositivo adequado. A seguir, há algumas partições de dev/hda

SLN151767_pt_BR__1icon Nota: 0-3 são as 4 possíveis partições primárias que você poderia escolher e, de 4 para cima, as partições lógicas que você configurou.
Nome da unidade
  • dev/hda0: disco mestre do primeiro controlador, primeira partição primária.
  • dev/hda1: disco mestre do primeiro controlador, segunda partição primária.
  • dev/hda4: disco mestre do primeiro controlador, primeira partição lógica.
  • dev/hda5: disco mestre do primeiro controlador, segunda partição lógica.
Nome do GRUB
  • hd1,0: disco mestre do primeiro controlador, primeira partição primária.
  • hd1,1: disco mestre do primeiro controlador, segunda partição primária.
  • hd1,4: disco mestre do primeiro controlador, primeira partição lógica.
  • hd1,5: disco mestre do primeiro controlador, segunda partição lógica.


Voltar ao início


 

Convenção de nomenclatura de dispositivos GRUB2

 

O GRUB2 alterou a convenção, tirando o 0 da convenção de nomenclatura. Isso significa que tudo começa com 1.

O nome básico de um disco controlado pelo (E)IDE é dev/hd? O símbolo ? é uma única letra. No GRUB2, isso é equivalente a hd? O símbolo ? Indica as posições 1 a 4.

Nomear os dispositivos é simples. Levando em consideração o primeiro exemplo a seguir, consideramos que a primeira parte é o nome do dispositivo hd e a segunda parte é a posição que ele ocupa a.

Nome da unidade
  • dev/hda: disco mestre do primeiro controlador
  • dev/hdb: disco escravo do primeiro controlador
  • dev/hdc: disco mestre do segundo controlador
  • dev/hdd: disco escravo do segundo controlador
Nome do GRUB2
  • hd1: disco mestre do primeiro controlador
  • hd2: disco escravo do primeiro controlador
  • hd3: disco mestre do segundo controlador
  • hd4: disco escravo do segundo controlador

Dar nome às partições é fácil. Basta anexar um número ao dispositivo adequado. A seguir, há algumas partições de dev/hda

SLN151767_pt_BR__1icon Nota: 1-4 são as 4 possíveis partições primárias que você poderia escolher e, de 5 para cima, as partições lógicas que você configurou.
Nome da unidade
  • dev/hda1: disco mestre do primeiro controlador, primeira partição primária.
  • dev/hda2: disco mestre do primeiro controlador, segunda partição primária.
  • dev/hda5: disco mestre do primeiro controlador, primeira partição lógica.
  • dev/hda6: disco mestre do primeiro controlador, segunda partição lógica.
Nome do GRUB2
 
  • hd1,1: disco mestre do primeiro controlador, primeira partição primária.
  • hd1,2: disco mestre do primeiro controlador, segunda partição primária.
  • hd1,5: disco mestre do primeiro controlador, primeira partição lógica.
  • hd1,6: disco mestre do primeiro controlador, segunda partição lógica.


Voltar ao início


 

Resumo dos termos de dispositivos e seu uso no Ubuntu

 

Unidades Serial Advanced Technology Attachment (SATA)

Com o surgimento das unidades SATA, a convenção mudou e, agora, os discos rígidos são chamados com mais frequência de sda, em vez de hda. Onde sd significa serial drive (unidade de série).

Tabelas de partição

Uma tabela de partição mostra as partições de um disco rígido ou de qualquer outro dispositivo de armazenamento. Existem dois padrões para o layout da tabela de partição:

  1. O Registro Mestre de Inicialização (MBR): também conhecido como MS-DOS, é o que podemos chamar de o padrão original. O MBR ainda é a tabela de partição mais usada, mas tem duas grandes limitações

    1. Ele não permite criar mais de quatro partições principais. Essas partições são chamadas de partições primárias.

    2. As partições de disco não podem exceder 2 TB.

  2. Tabela de Partição GUID (GPT): surgiu mais tarde. Embora o MBR ainda esteja em uso, as limitações levaram ao desenvolvimento do GPT.  A GPT supera as duas limitações do MBR. É possível criar várias partições primárias e o tamanho das unidades pode exceder 2 TB.

Convenção de nomenclatura de disco rígido

A primeira coisa que você precisa saber é que não há unidade C ou unidade E no Linux. Em vez delas, você verá algo como /dev/sda/dev/sdb/dev/sdc, … etc. A parte dev é a abreviação de device (dispositivo). A parte sd é a abreviação do driver de armazenamento em massa Small Computer System Interface (SCSI).

Partições e numeração de partições

Para instalar um sistema operacional em um disco rígido, você precisa dividi-lo em unidades de armazenamento distintas. Nós chamamos essas unidades de armazenamento de partições. No MBR, que é o padrão em praticamente todas as distribuições do Linux, há três tipos diferentes de partições - primária, estendida e lógica. No MBR, qualquer partição que não seja explicitamente criada como uma partição lógica ou estendida será uma partição primária. Qualquer espaço não atribuído será exibido como Free (Livre). Embora ele seja livre, não poderá ser usado nesse estado. O sistema considera que esse espaço livre não existe até que seja particionado.

SLN151767_pt_BR__51374075430559.PartitionGuide

Se você tiver criado o número máximo de partições e ainda tiver espaço livre, ele ficará inutilizável.

SLN151767_pt_BR__61374075460232.Diskerror

Partição estendida

Se você marcar uma partição como estendida, será possível criar muito mais partições nela. Essas partições são chamadas de partições lógicas e não há praticamente limite no número de partições lógicas que podem ser criadas. Isso significa que você pode ter três partições primárias e uma partição estendida e, em seguida, criar várias partições a partir dela.

SLN151767_pt_BR__1icon Nota: apenas uma partição estendida pode ser configurada em um disco rígido.

O programa de instalação de recursos gráficos do Ubuntu é chamado de Ubiquity.

Foram adicionados dois recursos que já estavam disponíveis em outras versões do Linux.

Os dois recursos são:

Criptografia completa de disco

O suporte para criptografar o diretório base dos usuários já existia no Ubiquity há algum tempo, mas como uma ferramenta de segurança física. Com a criptografia completa de disco, o sistema não será inicializado se a frase secreta correta de criptografia do disco não for usada. Em cada reinicialização, o usuário de um computador com a criptografia completa de disco configurada receberá um aviso na tela.

Gerenciador de volumes lógicos (LVM) do Linux

O LVM facilita o gerenciamento do espaço em disco. Especialmente quando se trata de redimensionar partições e de adicionar um novo disco rígido ao sistema. O LVM não tem redundância integrada. Isso significa que, em um sistema com vários discos, se um dos discos falhar, você terá problemas. No momento, o LVM só funcionará se você usar o esquema automatizado.


Voltar ao início


 

Informações adicionais:

 

SLN151767_pt_BR__1icon Nota:
O suporte de software é fornecido pela Canonical por meio dos seguintes métodos:
O suporte técnico é fornecido pela Dell:


Voltar ao início


Article Properties


Affected Product

Latitude, Vostro, XPS, Thin Clients, Fixed Workstations

Last Published Date

05 Apr 2021

Version

4

Article Type

Solution

Rate This Article


Accurate
Useful
Easy to Understand
Was this article helpful?

0/3000 characters